visite outros bloggs requeri: assadeira¨ rebloggando
feed rssfeed rssfeed e-mailfeed email

3.8.13

poeminha de louvor ao strip-tease secular - millôr fernandes/emmanuel vão gôgo -

millôr fernandes/jornalista/escritor/cartunista/tradutor/teatrólogo/humorista nasceu no meyer em 16 de agosto, e fundou o pasquim. no próximo dia 16 ele faria 89 anos ... em 1964 criou a revista pif-paf e, a partir dela, acontece a seção pif-paf da revista o cruzeiro assinada por ele sob o pseudônimo de emmanuel vão gôgo, trocadilho brincalhão com os nomes do pintor van gogh e o do filósofo alemão emmanuel kant.

emmanuel vão gôgo escreveu o poeminha de louvor ao strip-tease secular.

eu sou do tempo em que a mulher
nem mostrava o tornozelo;
que apelo!

depois, já rapazinho
vi as primeiras pernas de mulher
por sob a curta saia;
que gandaia!

a moda avança,
a saia sobe mais,
mostrando já joelhos
lupercais!

as fazendas com os anos,
se fazem mais leves,
e surgem figurinhas, pelas ruas,
mostrando as lindas formas quase nuas.

e a mania do sport
trouxe o short.

o short amigo,
que trouxe consigo,
o maiô de duas peças.

e logo, de audácia em audácia,
a natureza, ganhando terreno,
sugeriu o biquini,
o maiô, de pequeno, ficando mais pequeno
não se sabendo mais,
até onde um corpo branco,
pode ficar moreno.

deus, a graça é imerecida,
mas dai-me ainda
uns aninhos de vida!
feed rssfeed rssfeed e-mailfeed email

15.4.13

a poética monarquia dos países baixos, em ritmo de mudanças

"the cure for boredom is curiosity. there is no cure for curiosity."
"a cura para o tédio é a curiosidade. não há cura para a curiosidade." - dorothy parker -


bem-vindos à grande nação da holanda!!! onde as tulipas crescem, os moinhos de vento giram, o café da manhã sabe a chocolate, o povo é trabalhador, e o mar tenta afogar todo mundo.

para tudo!!!
porque tudo isto não é a holanda!!!


o nome correto do lugar onde as tulipas crescem, os moinhos de vento giram, o café da manhã tem sabor de chocolate, o povo é trabalhador, e o mar tenta afogar todo mundo, é netherlands/países baixos.
a holanda é parte de um reino, o reino dos países baixos/netherlands, que é dirigido por uma família real, no momento, uma rainha, e prestes a ter um rei, depois de mais de 100 anos ...

pra complicar o pensamento geográfico, sou obrigada a dizer que o reino dos países baixos possui terras em outras plagas e, pra encontrá-las, é preciso navegar do mar do norte ... gelado!!! em direção ao mar do caribe, e tentar avistar aruba, curaçao, e st maarten, que não fazem parte do território europeu, e têm seus próprios governos, e suas próprias moedas. e bonaire, saba e st eustatius, municípios ultramarinos do reino.
o blogg esclarece dois pontos fundamentais:
  1. st maarten, é a parte sul de uma ilha, cujo norte é ocupado pela frança mas, apesar de estarem separados pela bélgica, no mapa europeu, naquela ilha, o reino dos países baixos e a república francesa estão coladinhos;
  2. e que o c em curaçao, deve ser pronunciado com um som de s.
este mundo é um dedal, realmente!!! e geografia é uma ciência alentadora, complexa, dinâmica, inexata, em constante movimentação, que acomoda o planeta, a cada um dos seus xiliques.

a maioria das pessoas refere-se à holanda, da mesma forma como fariam com netherlands, os países baixos. elas pensam que a holanda é o mesmo que netherlands ... vou revelar um pequeno segredo: isto está errado, é um equívoco!!!

então, qual é a diferença???
pergunte!!!
pode perguntar!!!

bem, a diferença é que os países baixos - o reino como conhecemos hoje - veio a existir depois de napoleão/1830. entre 1815 e 1830, o reino dos países baixos também incluia a bélgica, mas isso é outra história, para uma outra vez. hoje em dia netherlands consiste de 12 províncias: groningen, friesland, drenthe, overijssel, flevoland, gelderland, utrecht, holanda do norte, do sul - holanda, zelândia, brabante do norte e limburgo.

e se alguém perguntar ... então, o que é a holanda??? responderei que 2 das 12 províncias de netherlands têm o nome de holanda, especificamente holanda do norte e holanda do sul, e as grandes cidades, amsterdam, roterdã e haia, estão localizadas nestas duas províncias. daí, se você já foi para os países baixos/netherlands, a chance é grande de você também ter ido para a holanda.

então, por que todos se referem à holanda, e não a netherlands???
quando o holandês saiu para o mundo durante a idade de ouro holandesa - a partir do século 17 - para estabelecer rotas comerciais, a maioria dos navios vinha das duas províncias agora chamadas de holanda do norte e holanda do sul. naquele tempo, os países baixos/netherlands, não existia ainda, então, quando perguntado aos marinheiros de onde eram eles, respondiam com o nome de sua cidade/estado/província. na maioria das vezes a resposta do marinheiro seria que era da holanda. desde então, holanda tem sido um sinônimo para a área que mais tarde seria chamada de netherlands/países baixos.

é claro que os torcedores dos principais times de futebol holandeses, não fazem muito pra deixar isto mais claro para o resto do mundo ... maldade minha???

em relação às outras províncias, cada uma orgulhosa de sua própria história, eu não recomendaria dizer holanda, quando se está realmente tentando se referir aos países baixos, à netherlands. além de incorreto, pode ser visto como ofensivo ou insultante, por alguns, a menos, claro, que a pessoa com quem você estejar conversando seja de uma dessas duas províncias - holanda do norte e holanda do sul. porém, na dúvida, é mais seguro referir-se ao povo daquelas bandas, como sendo de netherlands, dos países baixos, sem medo de errar.

remco campert,
um poeta neerlandês de rara competência,
e personagem importante na festa de reabertura
do rijksmuseum, em 13 de abril de 2013



Foto por Keke Keukelaar

remco wouter campert, ou remco campert/haia/netherlands/28 de julho de 1929 é um poeta e escritor neerlandês, de contos, poemas e romances. ele fez parte do movimento literário dos anos cinquenta nos países baixos, o cinquentismo.

afinal, o que é o cinquentismo???
ao terminar a 2ª guerra mundial havia nos países baixos, poetas, mas não havia poesia moderna. parece que, à maneira dos modernismos português e brasileiro de 1915 e 1922, a revolução de 1950 se deu, nos países baixos, simultaneamente na poesia e nas artes plásticas.
em 1948 o pintores guillaume cornelis van beverloo/corneille, nascido na bélgica - nascido de pais neerlandeses, que mudou pra amsterdam com 12 anos - e karel appel/neerlandes formaram, com artistas belgas e dinamarqueses, o grupo cobra - copenhaga, bruxelas, amsterdam - que preconizava e praticava uma pintura primitiva, às vezes selvagem, inspirada pelo desenho infantil e pela arte dos negros africanos.
a eles juntaram-se os poetas lucebert, remco campert, bert schierbeek e gerrit kouwenaar e, em 1950, formaram um grupo literário independente, conhecido como os cinquentistas, ou seja, a geração de 1950.

remco campert a estrela do blogg, hoje, é dono de uma dicção inconfundível, sóbria, melancólica, irônica, avessa a efeitos retóricos, é o mais popular dos cinquentistas.

poesia é ato - remco campert -

poesia é ato
de afirmação. afirmo
que vivo e que não vivo só.

poesia é futuro: pensar
na próxima semana, em outro país
e em ti mesmo quando velho.

poesia é a minha respiração, empurra
meus pés às vezes hesitantes
sobre a terra que pede movimento.

voltaire acometido de varíola
salvou-se ingerindo entre outras coisas
120 litros de limonada: isso é poesia.

ou então a ressaca. quebrada
nas rochas não se deixa derrotar,
refaz-se: e isso é poesia.

cada palavra que se escreve
é um atentado contra a velhice.
afinal a morte vence, isso é certo,

mas a morte é apenas silêncio na sala
depois de ressoar a última palavra.
a morte é emoção.


remco casou-se 4 vezes, entre 1949 e 1980.
uma vez, em 1994, em relação a casamentos, ele explicou a sua situação, numa entrevista ao jornal nieuwsblad van het noorden: "eu não quero me sufocar. eu sou a minha melhor companhia. sempre que eu vivia junto com alguém, eu me sentia como se estivesse debaixo d'água por dias a fio. e eu não preciso disso. estou mais do que feliz casado com a minha carreira."

seu pai era o poeta jan campert, autor do poema het lied der achttien doden/a canção de dezoito mortes. durante a ocupação dos países baixos pela alemanha, na 2ª guerra mundial, jan campert foi preso por ajudar os judeus. ele ficou detido no campo de concentração de neuengamme, onde morreu. a mãe de remco campert era a atriz joeki broedelet. jan campert e joeki broedelet casaram-se em 8 de fevereiro de 1928, e se divorciaram em 19 de fevereiro de 1932.

o poema de jan campert, het lied der achttien doden/a canção de dezoito mortes, descreve a execução de 18 trabalhadores da resistência neerlandesa pelos alemães - 15 combatentes da resistência e 3 comunistas. escrito em 1941, e baseado em um relato publicado no jornal het parool, o poema foi publicado em 1943, clandestinamente, pela editora de bezige bij, fundada durante a ocupação alemã. a publicação visava arrecadar dinheiro, para esconder crianças judias.
o jornal het parool foi publicado pela primeira vez em 11 de agosto de 1941, com a função de resistência, contra a ocupação alemã/1940/1945. o nome do jornal significa "a senha" ou "o lema".
somente após sua morte, jan campert obteve o reconhecimento que ele ansiava durante a vida, como o poeta da resistência.

no sábado, dia 13 de abril, depois de uma reforma milionária que durou 10 anos de dias lentos, 10 anos de noites de vigília, finalmente!!! o rijksmuseum, o museu nacional em amsterdam, recomeçou suas atividades. houve um programa festivo liderado pela rainha beatrix do reino dos países baixos que, vestindo uma espécie de chapeuzinho preto, que a fez parecer uma estatueta de playmobil, realizou a cerimônia de abertura oficial a partir da frente do rijksmuseum.
caminhando sobre o tapete laranja, a rainha seguiu até o ponto de virar uma chave gigante de ouro, diante de uma platéia de milhares de pessoas, fez uma visita ao rijksmuseum reformado, e ouviu apresentações do trompetista eric vloeimans e netherlands wind ensemble, e um recital do escritor remco campert que criou um poema especialmente para a ocasião.


a rainha observa o museu, durante a festa do dia 13, adornado por fogos de artifício

todos foram convidados a participar do programa de abertura ao ar livre a partir de 11:30. após a cerimônia, ao meio-dia, o público pôde visitar o museu gratuitamente até a meia-noite, e entrava caminhando pelo mesmo e longo tapete laranja que se estendia como uma passarela, do museumplein, até a entrada do rijksmuseum.

o rijksmuseum foi fundado em haia em 1800 e mudou-se para amsterdam, em 1808, ficando estabelecido no palácio real. mais tarde, em 1815, sua sede passou a ser a trippenhuis, a casa tripp, um edifício construído nos anos 1660 para abrigar os ricos irmãos negociantes de armas de amsterdam, louys, e hendrick trip, e que abriga royal netherlands academy of arts and sciences.

a trippenhuis
em amsterdam as casas particulares dominam.
os irmãos trip construiram - entre 1660 e 1662 - duas casas distintas, por trás de uma frente única, a mais ampla fachada de amsterdam, duas casas geminadas sob o mesmo teto: hendrick vivia na parte esquerda, e louys vivia na parte direita.
a casa era compartilhada pelos dois irmãos e dividida, literalmente, em duas partes - e a parede divisória, de dois metros de espessura, posicionada bem no meio da fachada, ainda pode ser vista entre as duas casas, como uma linha no meio entre janelas.


os irmãos, louys/1605-1684 e hendrick trip/1607-1666, fizeram sua fortuna no comércio de armas, depois de passarem alguns anos na suécia, com seu tio louys geer, também comerciante de armas, e queriam ter uma casa ilustre, tanto é que muitos atributos de armamento podem ser vistos na parte externa, as duas chaminés em forma de morteiros, simbolizando os dois irmão, e os canhões gravados na fachada, dentre outros ornamentos.
o seu interior é especial com, entre outras coisas, afrescos de anjos carregando armas, e outros com aves, descobertos durante uma restauração.
a trippenhuis é a maior fachada do canal de amsterdam, kloveniersburgwal/29, e este vídeo magnífico mostra detalhes da casa dos irmãos trip.
desde 1887 a trippenhuis abriga a royal netherlands academy of arts and sciences/knaw, administrada por um órgão governamental do reino dos países baixos, o rijksgebouwendienst, que gerencia os edifícios governamentais e monumentos de valor histórico/cultural em nome do governo nacional.
ele gerencia mais de 7 milhões de metros quadrados de escritório para os funcionários públicos, para os juízes, edifícios para os presos, para os altos cargos de estado, que abrigam os museus nacionais e a família real, entre outros.
atualmente, trippenhuis, a sede da royal netherlands academy of arts and sciences, não é acessível ao público, mas seus salões, eventualmente, podem ser alugados para algumas festividades. o edifício é para ser admirado como um monumento, mas a visita está sempre sob condições muito rigorosas, e não pode ser fotografado internamente.


o edifício atual do rijksmuseum foi desenhado pelo arquiteto petrus josephus hubertus - pierre - cuypers, e construído entre 1876 e 1885. ele permaneceu fechado desde 2003, e foi reaberto, com grande ponta, sábado, dia 13 de abril de 2013, pela rainha beatrix, soberana do reino dos países baixos.
a obra mais importante do rijksmuseum é a ronda noturna/rembrandt, mas o acervo do museu nacional, na verdade, tem 1 milhão de objetos – dos quais 8000 são exibidos. para se ter uma ideia da dimensão, o museu tem 1 quilômetro e meio de obras de arte, exibidas em 80 salões.

o edifício do rijksmuseum é uma espécie de castelo do harry potter,
é um edifício louco, uma espécie de neo-gótico de artes e ofícios, repleto de imagens ...
é uma história em quadrinhos.


enfim, a palavra que define o rijksmuseum é tempo ... o rijksmuseum é uma máquina do tempo!!!

by the way, esta foi/será a última aparição da rainha, antes da renúncia anunciada, que acontecerá em 30 de abril p/f, quando seu filho, o príncipe willem-alexander, subirá ao trono do reino dos países baixos, como o primeiro rei, em mais de um século.

leia o poema de remco cambert, criado especialmente pra festa
o belissimo site do museu
feed rssfeed rssfeed e-mailfeed email

12.11.12

uma festinha pelos 172 anos de auguste rodin

um teco de história ... auguste rodin ...
e hoje, teria festa na casa de auguste rodin ... ele faria 172 anos ...
atrás de auguste rodin, a estátua de gesso original da obra a criação do homem - fonte: answers.com

eu acho os burgueses de calais a obra mais bela de rodin, mais impressionante ... justo pela história que ela encerra.

foi assim: antes do eurotunel, calais era a cidade de onde partiam os barcas que levavam as pessoas do continente, pra inglaterra.
essa condição privilegiada botou calais em muita saia justa, a guerra dos 100 anos -1337/1453 - foi uma delas, e é aí que começa a história dos burgueses de calais.
o rei da inglaterra, eduardo III sitia a cidade, e felipe VI de valois, rei da frança, pediu pro povo segurar a bronca que ele ia resolver tudo, custasse o q custasse.
acontece que o felipão não conseguiu livrar a cidade e os habitantes de calais foram penitenciados pela fome.

eduardo tem uma brilhante idéia!!! pra eu livrar o povo desse enrosco, entreguem-me 6 homens ricos e importantes da cidade. eles devem vir com o mínimo de roupa, com cordas no pescoço, e trazendo as chaves da cidade e do castelo de calais.
o primeiro a se apresentar foi eustache de saint pierre, e foi seguido pelos outros 5.

porééééééém a rainha da inglaterra estava grávida, meio sentimental, achou que não daria sorte exterminar os seis homens, e pediu ao marido para poupar os franceses em nome do filho deles que ia nascer.

pronto!!! resolvido!!!

a vida seguiu e auguste rodin foi convidado pelo prefeito de calais a executar uma escultura em homenagem aos seis burgueses.
a obra original - 1884/1889 - está na cidade, mas existem réplicas em vários cantos do mundo.
les bourgeois de calais é uma obra evidentemente desprovida de heroísmo ou orgulho, que rodin fez de seis homens poderosos. cada um dos homens carrega a expressão do desespero adornada pela fragilidade imposta pelas roupas e pelas cordas. são figuras impotentes frente ao destino trágico que lhes aguardava, mas q acabou não acontecendo.

nas imagens, les bourgeois de calais/rodin, na cidade de calais, e o magnífico l'hôtel de ville atrás.

é isso.

requeri/regina claudia
feed rssfeed rssfeed e-mailfeed email

27.8.12

dersu uzala - 1975 - akira kurosawa

saber exatamente o que fazer, sempre, é não ter mais muito o que fazer??? talvez sim, mas me impressionam essas pessoas que de tão certinhas em seu método de fazer algo parecem sempre ter o assunto certo, no dia certo e transmitir um domínio quase automático sobre tudo.
hoje eu tenho o que fazer, mas a idéia do filme de akira korusawa colou na minha cabeça, assim que acordei, e não consegui me desvencilhar dela. e pra quê existem os meus bloggs, senão pra depositar ou instalar neles o que eu quiser???

os filmes grandes são, sem exceções, aqueles com a capacidade de continuar depois da tela, fora do cinema, perseguindo quem assistiu. invadindo e, por vezes, espelhando a própria vida que continua após a sessão. as nobres obras, assim, de qualquer linguagem - as musicais também - são as asfixiantes, e rejeito qualquer argumento contrário.
primeiro filme de akira kurosawa após sua fracassada tentativa de suicídio, e o primeiro realizado fora do japão é um filme assim.
dersu uzala ganhou, em 1975, o oscar de melhor filme estrangeiro, e foi filmado quase que inteiramente ao ar livre, no deserto da sibéria.
o filme conta a história de um pequeno grupo de soldados russos, em missão pacífica de exploração numa área remota da sibéria, quando encontram dersu uzala, um homem da montanha, gentil, que imediatamente começa a gostar do capitão e tornar-se seu guia.
a princípio, os homens acham dersu um ser peculiar, um velho supersticioso e riem dele, mas logo passam a admirá-lo, especialmente depois que ele salva a vida do capitão em uma nevasca. a missão termina, eles se separam mas, alguns anos mais tarde, o capitãoe dersu encontram-se novamente. desta vez eles se tornam inseparáveis ​​e o novo grupo de soldados rapidamente se encanta por ele.
assista ao trailer


este é um filme de kurosawa, mais calmo, por isso, quem estiver procurando pela ação contida em os 7 samurais, por exemplo, talvez possa se decepcionar.
o filme é divertido e muito bem feito pois, como sempre, kurosawa sabe exatamente onde colocar a câmera. enfim, são 141 minutos de fotografia exemplar contando uma história real e cativante.
aqui, leia sobre akira kurosawa
o dersu uzala de kurosawa não foi o primeiro. em 1961, a união soviética produziu um filme contando a mesma história, a partir do livro de vladimir arsenyev, com roteiro de igor bolgarin. este filme foi dirigido por agasi babayan, estrelado por adolf shestakov e kasym zhakibayev e ganhou o golden wold/1961, no festival de cinema de bucareste.

e o mundo se faz na beleza, podecrê.

é isso.

requeri/regina claudia